Bolsonaro e Queiroz ironizam covid-19 e fazem mesma piada sobre morte de Lázaro

Opresidente Jair Bolsonaro repetiu, na noite desta segunda-feira, 29, a mesma piada que Fabrício Queiroz fez em seu Instagram pessoal ainda pela manhã, sobre Lázaro Barbosa, morto pela polícia de Goiás. Ambos ironizaram a letalidade do coronavírus. “Mais uma vítima da covid-19”, escreveu Queiroz na legenda de uma foto que mostra Lázaro baleado. Bolsonaro seguiu a mesma linha: “Tem gente chorando pelo Lázaro aí. Ele não morreu de covid, não?”, disse a apoiadores.

‘Rachadinhas’

Denunciado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa pelo Ministério Público do Rio, Queiroz é considerado o operador do suposto esquema de “rachadinhas” no gabinete do senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), um dos filhos do presidente. Ele e Bolsonaro são amigos de longa data. Os dois serviram ao Exército na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), no Sul fluminense.

No Instagram do ex-assessor, restrito a 750 seguidores, a foto de Lázaro morto – que recebeu o selo de “conteúdo sensível” da rede – ganhou a curtida de Ana Cristina Siqueira Valle, segunda ex-mulher de Bolsonaro. Ela também é investigada por suspeitas de praticar a “rachadinha”, como é chamado o desvio de dinheiro de assessores. O caso dela, contudo, é outro dentro do clã: envolve o gabinete do vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos).

Além das apurações sobre a “rachadinha”, Queiroz tem em seu histórico um homicídio cuja investigação ficou parada por anos e foi reaberta em 2020. Quando era sargento, ele e o então tenente Adriano Magalhães da Nóbrega, que depois virou o miliciano mais procurado do Rio, registraram como “auto de resistência” a morte do estudante Anderson Rosa de Souza, de 29 anos, em 2003. No ano passado, com Queiroz de volta aos holofotes, o MP pediu à polícia uma perícia nos fuzis usados na ocasião.

Apesar agora comemorarem a morte de Lázaro, criticada por especialistas devido ao alto custo da operação que não conseguiu capturá-lo vivo, a família Bolsonaro e seus aliados tiveram reação oposta quando o próprio Adriano da Nóbrega foi morto.

O ex-capitão estava foragido da Justiça do Rio e foi encontrado no interior da Bahia em fevereiro de 2020. A operação da polícia local com o auxílio de autoridades fluminenses culminou na morte do ex-chefe do Escritório do Crime, cuja mãe e a ex-mulher tiveram cargos no gabinete de Flávio. As duas também foram denunciadas pelo MP no caso das “rachadinhas”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s