CPI vai recorrer da decisão que deu silêncio a Wizard, afirma Aziz

presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que a comissão irá recorrer da decisão do ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu ao empresário Carlos Wizard o direito de ficar em silêncio durante seu depoimento à CPI. A declaração foi dada logo após o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) exibir um vídeo do empresário falando que pessoas morreram de covid-19 por terem ficado “em casa” sem buscar o tratamento precoce – que não tem eficácia comprovada cientificamente para combater o coronavírus.

Aziz reagiu a declaração afirmando que tal atuação de Wizard não pode ficar impune. “Senhor Carlos Wizard, meu irmão morreu em janeiro de covid, minha família sentiu muito, é uma coisa muito dolorida a gente ouvir isso do senhor, para quem perdeu um ente querido. Eu recomendo, vossa excelência, Deus lhe deu tudo que um homem pode querer, sucesso, família, mas não tenha dúvida que essa forma como o senhor fala machuca muito quem perdeu pessoas. Eu peço a mesa que recorra da decisão do ministro Barroso em relação ao HC concedido a vossa excelência”, afirmou Aziz.

O vídeo exibido por Randolfe é o mesmo em que Wizard faz uma “homenagem” ao prefeito da cidade de Porto Feliz, no interior de São Paulo, que teria assumido compromisso com a população da cidade, de que ninguém iria morrer vítima da covid-19 em razão do uso do tratamento precoce.

“(O prefeito) preparou um kit, com primeiros sintomas da doença, (paciente) recebe o tratamento, e sabe o que acontece? Ninguém morreu de covid-19 na cidade de Porto Feliz. O Ministério da Saúde indica que teve cinco óbitos de covid. De fato teve cinco óbitos. Mas sabe quem são os cinco óbitos? aqueles que ficaram em casa, que não foram em busca do tratamento precoce”, afirmou o empresário na ocasião. “Iremos recorrer fazendo um apelo ao ministro, para que possamos dar com essa fala do senhor de exemplo, não pode ficar impune, isso não pode ficar impune, em nome de 516 mil vidas, não pode rir disso”, reagiu o presidente da CPI.

Durante o debate, Aziz protagonizou mais uma troca de farpas com o senador governista Marcos Rogério (DEM-RO), que chamou a comissão de “CPI do Circo”. ” Vossa excelência é o maior palhaço que tem aqui”, rebateu Aziz. “E vossa excelência é o chefe do circo”, respondeu Marcos Rogério.

Confusão com Toron

Figura conhecida pela defesa de célebres investigados pela Operação Lava Jato perante o STF) o advogado criminalista Alberto Zacharias Toron quase foi retirado da sala da CPI da Covid pela Polícia Legislativa. Enquanto o empresário Carlos Wizard usa a decisão do STF para ficar em silêncio, seu advogado protagonizou com o senador Otto Alencar (PSD-BA) um bate-boca que esquentou o clima na sessão.

A calmaria desandou quando Toron classificou como “covardia” uma atitude de Alencar, que presidia a sessão naquele momento, ao fazer uma referência ao advogado e não deixá-lo rebater. “Está muito corado (Toron, que permanece ao lado de Wizard durante a oitiva), parece que tomou banho de mar, está vermelho, e o senhor, seu Carlos, amarelou aqui”, disse o senador em alusão ao fato de Wizard não responder às perguntas dos integrantes da CPI.

“Vossa excelência está absolutamente enganado, não tomei banho de sol, nem de mar, e vossa excelência está errado…”, respondeu Toron, que foi interrompido por Otto. “Não dei a palavra ao senhor, só fiz uma comparação”, rebateu o senador. “Vossa excelência se referiu a mim e não quer que eu responda, isso é de uma covardia, senador”, afirmou o advogado.

O uso da palavra “covardia” por Toron irritou Otto Alencar, que pediu então que a Polícia Legislativa retirasse o advogado da comissão. “O senhor não pode me chamar de covarde. Vou mandar retirá-lo, chama a Polícia Legislativa, manda tirar daqui”, exclamou.

Experiente na tribuna da Suprema Corte, Toron tentou apaziguar a situação e depois classificou o episódio como um “mal-entendido”. “Vossa excelência se referiu a mim de forma jocosa, de forma a me colocar em ridículo. Quando quis responder, não me permitiu, eu disse que essa atitude é de uma covardia. Eu tenho respeito por vossa excelência (Otto Alencar)”, afirmou o advogado, que até então era uma figura desconhecida do senador.

Toron fez questão de dizer que conhece “muitos senadores” e advoga para vários conhecidos de Alencar. “Tenho maior respeito por todos, eu advogado para muita gente que vossa excelência seguramente conhece, de vários partidos. O meu objetivo aqui é calado acompanhar, mas vossa excelência se referiu a mim”, disse o advogado, que defendeu o ex-senador e hoje deputado Aécio Neves (PSDB-MG) das acusações de corrupção passiva e obstrução à Justiça no caso JBS.

Outro caso emblemático da Lava Jato em que Toron atuou como advogado de defesa foi do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine. Em 2019, a Segunda Turma do STF derrubou uma decisão do ex-juiz federal Sergio Moro que, em março de 2018, condenou Bendine a 11 anos de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Foi a primeira vez que o Supremo anulou uma condenação de Moro. A tese de defesa, que tinha Toron como um dos advogados, foi de que havia ilegalidade no processo de Bendine, porque ele foi obrigado por Moro a entregar seus memoriais (uma peça de defesa) ao mesmo tempo que delatores da Odebrecht apresentaram acusações contra sua pessoa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s