O mês de Julho/2021 entrará para história com a aprovação do Teto Remuneratório do funcionalismo Público, conforme CF.

Estamos na torcida para que na prática o Fim dos Super Salários e Controle/Extinção de auxílios e gratificações completamente absurdas sejam realmente aplicados. São completamente injustos os auxílios e gratificações que o Trabalhador pagador de impostos nem sabe que paga especialmente em nível Estadual e Federal.

Nota técnica: O fim dos supersalários (PL 6726/2016)

Introdução 

A aprovação de uma norma que regulamente o teto remuneratório do funcionalismo público dentro do limite definido pela Constituição é fundamental para o Brasil. Hoje, o teto salarial é de R$ 39,2 mil1– há casos, porém, de servidores públicos que “turbinam” seus ganhos com os chamados “penduricalhos”. Estão aí incluídos os que recebem auxílios (auxílio-livro, auxílio-creche, auxílio-moradia, “auxílio banda larga” etc), horas extras, adicionais noturnos e demais verbas indenizatórias que, na soma, extrapolam o valor mensal definido pelo teto. 

“Supersalário” é uma remuneração mensal no setor público acima do limite da Constituição. O Projeto de Lei 6726/2016, em tramitação na Câmara dos Deputados2, visa regular nacionalmente a definição de remuneração indenizatória. O objetivo do PL é justamente impedir o acúmulo dos “penduricalhos” para que não ultrapassem o teto definido por lei. 

Por que tal legislação é importante? Em primeiro lugar, porque limitar os “supersalários” abre espaço no orçamento público para a realocação de recursos em áreas prioritárias, como educação, saúde e para o combate à Covid-19. 

Levantamento do Centro de Liderança Pública (CLP) a partir da PNAD Contínua aponta que cerca de 0,23% dos servidores estatutários do Brasil têm rendimentos efetivos superiores ao teto do funcionalismo (de R$ 39,2 mil mensais), com um adicional médio de rendimento mensal de cerca de R$ 8,5 mil. 

Levando em consideração que o país possui cerca de 11 milhões de servidores públicos (o número total é subestimado na PNAD Contínua), isso equivale a aproximadamente 25 mil servidores com proventos acima do teto (0,23% x 11 milhões de servidores). 

Dados da mesma fonte, detalhados adiante na nota técnica, permitem concluir que o Brasil pode economizar até R$ 2,6 bilhões por ano apenas cortando as remunerações acima do teto do funcionalismo público nas três esferas (Executivo, Legislativo e Judiciário) e nos três níveis de governo (federal, estadual e municipal). 

Limitar os “supersalários” também é uma questão de estimular o melhor uso dos recursos públicos, além de dar maior racionalidade e tratamento equânime às remunerações no setor governamental. 

Detalhamento 

Apesar da grandeza do número de 25 mil servidores públicos que recebem acima do teto, trata-se de uma quantidade diminuta em comparação com o total de funcionários públicos existentes no Brasil (0,23%). 

Ou seja: um pequeno contingente do setor público concentra grandes remunerações. 

É possível calcular a massa de rendimentos acima do teto definido pela Constituição em R$ 2,6 bilhões por ano (25 mil servidores x 12 meses x R$ 8.500). A regulamentação do teto permitiria economizar, portanto, esse volume de recursos para os cofres públicos. 

É válido considerar que parte dos ganhos de renda efetiva do trabalho dos servidores acima do teto pode ter caráter legitimamente indenizatório. Tendo em vista apenas cerca de 20% de tais ganhos, a economia a ser obtida com remunerações acima do teto ainda assim ficaria em aproximadamente R$ 2 bilhões por ano. 

É possível desagregar a estimativa de economia por nível de governo, conforme a tabela abaixo: 

x

A grosso modo, é possível dizer que o contingente de 25 mil servidores que recebem acima do teto seria equivalente à população de uma cidade pequena, como Guararemaou Ilha Solteira(no interior de São Paulo). 

É possível concluir que boa parte dos casos ocorre na esfera federal e estadual, observando-se a pesquisa do CLP a partir da PNAD Contínua. 

Outro levantamento, do jornal Folha de São Paulo, ressalta como os supersalários parecem estar majoritariamente no Judiciário: 8.226 magistrados receberam remuneração igual ou superior a R$ 100 mil pelo menos uma vez desde 20175

Outro estudo, desta vez realizado pelo Partido Novo, aponta que 7 em cada 10 salários de juízes e magistrados estão acima do teto constitucional6

Faz sentido, portanto, que a maior parte dos casos de supersalários sejam identificados na esfera federal e estadual: é onde se concentram as contratações e custos do Poder Judiciário. 

Exemplos e casos adicionais a seguir: 

Benefícios a procuradores e juízes avançam e somam R$ 543 milhões na pandemia

Uma juíza de Pernambuco recebeu salário de R$ 1,3 milhão em 2019

Verbas indenizatórias deram salário de mais de R$ 700 mil a juiz de Minas

‘Eu não tô nem aí’, diz juiz de MT que recebeu salário de mais de R$ 500 mil 

A conclusão de que a massa de rendimentos acima do teto pode chegar a R$ 2,6 bilhões por ano é consistente com a pesquisa feita pelo Ministério do Planejamento, com base no estudo do Ministério Público, com dados do CNJ/Justiça em números – 2017. Neste último levantamento, o dado encontrado foi de pouco mais de R$ 2,5 bilhões gastos com remunerações que ultrapassam o teto constitucional. 

Numa conta simples, a quantia que pode ser economizada com o fim dos supersalários equivale, por exemplo, ao custo de 16 fábricas de vacinas contra a Covid-19 do Instituto Butantan7

O Portal da Transparência do governo federal evidencia o orçamento total (despesas obrigatórias e não-obrigatórias) de cada ministério nos últimos anos8. A economia anual estimada de R$ 2,6 bilhões que pode decorrer do fim dos supersalários equivale a: 

● Mais de dez vezes a despesa total executada do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos no ano de 2020 (R$ 253 milhões)9

● Mais de duas vezes e meia a despesa total executada da Controladoria-Geral da União no ano de 2020 (R$ 1,01 bilhão)10

● Cerca de uma vez e meia a despesa total executada do Ministério das Comunicações no ano de 2020 (R$ 1,81 bilhão)11

● Pouco mais que a despesa total executada do Ministério do Meio Ambiente no ano de 2020 (R$ 2,25 bilhões)12

Além disso, o Portal da Transparência torna possível comparar os orçamentos previstos dos ministérios neste ano com o valor a ser economizado com a extinção dos penduricalhos e ganhos acima do teto constitucional – R$ 2,6 bilhões. Tal valor equivale a: 

● Mais de quatro vezes a despesa total prevista do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos para o ano de 2021 (R$ 618 milhões)13

● Cerca de 95% da despesa total prevista do Ministério do Turismo para o ano de 2021 (R$ 2,74 bilhões)14

● Cerca de 62% da despesa total prevista do Ministério das Relações Exteriores para o ano de 2021 (R$ 4,20 bilhões)15

Por fim, na comparação com o orçamento discricionário (não-obrigatório) dos ministérios previsto para 202116, segundo dados do Portal G1, a economia de R$ 2,6 bi equivale a: 

● Quatro vezes o orçamento discricionário previsto do Ministério do Turismo para o ano de 2021 (R$ 661,2 milhões); 

● Uma vez e meia o orçamento discricionário previsto do Ministério das Relações Exteriores para 2021 (R$ 1,7 bilhão); 

● Mais de uma vez o orçamento discricionário previsto do Ministério da Agricultura para 2021 (R$ 2,4 bilhões); 

● Uma vez o orçamento discricionário previsto do Ministério da Justiça e Segurança Pública para 2021 (R$ 2,6 bilhões). 

O #UnidosPeloBrasil lançou, no segundo semestre de 2020, um abaixo-assinado pela aprovação do PL 6726/201617. Em poucos meses, mais de 270 mil assinaturas oriundas de cidadãos dos mais diversos estados se somaram ao documento. 

Cerca de 30 parlamentares – entre deputados federais, senadores e deputados estaduais – assinaram a petição online, declararam apoio via redes sociais ou receberam as assinaturas no Congresso, assumindo compromisso com a pauta. 

Alguns exemplos, em ordem alfabética: 

● Deputada federal Adriana Ventura (NOVO-SP) 

● Deputado federal Alexis Fonteyne (NOVO-SP) 

● Deputado federal Evair de Melo (PP-ES) 

● Deputado federal Felipe Rigoni (PSB-ES) 

● Deputado federal Marcel Van Hattem (NOVO-RS) 

● Deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) 

● Deputado federal Paulo Martins (PSC-PR) 

● Deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) 

● Deputado federal general Peternelli (PSL-SP) 

● Deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) 

● Deputado federal Samuel Moreira (PSDB-SP) 

● Deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) 

● Deputado federal Tiago Mitraud (NOVO-MG) 

● Deputado federal Vinicius Poit (NOVO-SP) 

● Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) 

● Senador Alvaro Dias (Podemos-PR) 

● Senador Antonio Anastasia (PSD-MG) 

Histórico do Projeto de Lei 

O Projeto de Lei foi proposto pela chamada Comissão Especial do Extrateto18, que debateu, no Senado Federal, o fim dos supersalários que extrapolam o teto da Constituição, há meia década atrás. 

As discussões no Senado ocorreram em 2016, e o objetivo da comissão foi redefinir o que deveria e o que não deveria estar submetido ao teto remuneratório imposto pela Constituição para todo o funcionalismo público. 

O Projeto de Lei, na época, ficou conhecido pela nomenclatura PLS 449/2016. Ele foi aprovado pelo Senado no mesmo ano19, e entrou em tramitação na Câmara dos Deputados na sequência. 

Ao chegar na Câmara, a proposta legislativa passou a ser nomeada de PL 6726/2016. Desde 2018, o Projeto de Lei anda a passos lentos. O relator do Projeto na Câmara, deputado Rubens Bueno (Cidadania-PR), apresentou seu parecer à Comissão Especial que analisava a matéria, mas o texto ainda não foi apreciado20

Em outubro de 2020, o #UnidosPeloBrasil criou um abaixo-assinado pedindo a aprovação do PL que extingue os supersalários. Em dezembro, o movimento levou as assinaturas da petição à Câmara dos Deputados, para serem entregues aos parlamentares, como forma de mostrar que a população deseja a votação do projeto21

Mais de 10 parlamentares receberam as assinaturas da petição online. Além da sociedade, a Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa defende a votação do Projeto como prioritária22

Para que o PL entre em votação rapidamente, a Câmara dos Deputados precisa analisar um dos quatro requerimentos de urgência apresentados à Casa Legislativa. O último dos requerimentos foi apresentado em novembro de 2020, porém o primeiro data de 201823

Após a eleição para a presidência da Câmara e do Senado, o governo federal lançou uma lista de propostas que considera prioritárias para serem apreciadas pelo Legislativo. Entre as 34 medidas listadas está o projeto que prevê o fim dos supersalários24. A inclusão do PL 6726/2016 na lista de prioridades do governo dá novo fôlego à pauta e deve ser celebrada, pondera o relator na Câmara.25 A mobilização deve seguir os próximos passos com mais ações no Legislativo e adesões à petição online e nas redes sociais.

Análise por nível de governo 

De acordo com a estimativa realizada pela área de Inteligência Técnica do CLP, 1,03% dos um milhão de servidores federais brasileiros têm rendimentos efetivos superiores ao teto, com um adicional médio de rendimento mensal de R$ 8.655. 

Tal número representa cerca de 10.300 servidores federais recebendo acima do teto definido pela Constituição (1 milhão de servidores x 1,03%). Assim, é possível concluir que a economia com a regulamentação do teto em âmbito federal é de cerca de R$ 1,09 bilhão por ano (10.300 servidores x 12 meses x R$8.655). 

Já nos estados, encontramos aproximadamente 13.600 servidores com proventos acima do teto (3,4 milhões de servidores x 0,40%). Neste recorte, a economia anual com o fim das remunerações acima do teto é de R$ 1,5 bilhão (13.600 servidores x 12 meses x R$ 9.151). 

Por fim, nos municípios temos aproximadamente 1.300 servidores com rendimentos efetivos acima do teto (6,5 milhões x 0,02%). Portanto, a economia anual é de 0,01 bilhão (1.300 servidores x 12 meses x R$ 707). 

É possível também identificar, a partir dos dados da PNAD Contínua de 2019, a distribuição de servidores que ganham acima do teto federal por nível de Poder. Considerando-se os 100% dos funcionários públicos que “furam” o teto constitucional, 54% deles trabalham em nível estadual, 40,2% trabalham para a União e 5,8% trabalham em nível municipal. 

Além disso, se for considerada 100% da massa de rendimentos acima do teto, pouco mais de 58% desta massa está em nível estadual, 41,1% está em nível federal e 0,5% em nível municipal 

Confira a tabela: 

x

Atuação do #UnidosPeloBrasil 

O abaixo-assinado lançado em outubro de 2020 pelo movimento #UnidosPeloBrasil reuniu apoios significativos de toda a população e coletou mais de 270 mil assinaturas até agora. Além de parlamentares, houve adesão de economistas, advogados, juristas, professores de instituições públicas e dezenas de outros especialistas e profissionais de várias áreas. 

A entrega das assinaturas no Congresso repercutiu na imprensa e nas redes sociais. Além da petição, o #UnidosPeloBrasil lançou uma carta pedindo adesões de outras organizações da sociedade civil (movimentos, coletivos, ONGs, fundações, associações etc) para engrossar o coro dos que defendem o fim dos supersalários. 

Sob a bandeira #SuperSaláriosNão, 15 organizações assinaram a carta e declararam apoio à votação do Projeto de Lei 6726/2016. Algumas organizações estão listadas abaixo: 

● Movimento LIVRES; 

● Instituto Millenium; 

● Ranking dos Políticos; 

● Movimento Brasil Livre (MBL); 

● Movimento ACREDITO; 

● Associação Comercial de Pernambuco; 

● Instituto Moreira Matos. 

Conclusão 

A pauta do fim dos supersalários tem mobilizado a população de forma crescente e contínua desde que o PL 6726/2016 foi apresentado. Se forem consideradas as interações, curtidas, comentários favoráveis, reportagens, artigos e demais apoios à votação do Projeto de Lei, além das assinaturas na petição, seguramente um milhão de pessoas já tomaram posição pelo fim das remunerações que extrapolam o teto constitucional. 

Para além destes apoios, cabe ressaltar que o gabinete compartilhado do Movimento ACREDITO lançou, em dezembro de 2020, um documento em que defende a importância do fim dos supersalários e sua relação com a Reforma Administrativa. 

O #UnidosPeloBrasil entende que esta reforma é crucial para o avanço do desenvolvimento social e econômico do Brasil, e concorda com o ACREDITO na importância de ambos os projetos. O fim dos supersalários não terá impacto negativo na população mais vulnerável do país – pelo contrário, irá reduzir a desigualdade salarial existente no setor público. 

Fonte: https://conteudo.clp.org.br/agradecimento-newsletter-coisa-publica


Fonte: Poder360. STF proíbe acúmulo de benefícios se valor superar teto constitucional

Fonte: Agência Câmara de Notícias. Frente parlamentar quer votação de projeto que regulamenta teto salarial do funcionalismo 

Fonte: IBGE. População estimada para Guararema em 2020

Fonte: IBGE. População estimada para Ilha Solteira em 2020

Fonte: Folha. Mais de 8.000 juízes receberam acima de R$ 100 mil mensais ao menos uma vez desde 2017

Fonte. Partido Novo. NOVO Fiscaliza: Análise do Cumprimento do Teto Salarial no Serviço Público 

Fonte: Instituto Butantan. Governo de SP inicia as obras da fábrica que produzirá Coronavac no Brasil 

Fonte: Portal da Transparência. Comparativo entre órgãos superiores 

Fonte: Portal da Transparência. Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2020 

10 Fonte: Portal da Transparência. Controladoria-Geral da União. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2020

11 Fonte: Portal da Transparência. Ministério das Comunicações. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2020 

12 Fonte: Portal da Transparência. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2020 

13 Fonte: Portal da Transparência. Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2021 

14 Fonte: Portal da Transparência. Ministério do Turismo. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2021 

15 Fonte: Portal da Transparência. Ministério das Relações Exteriores. Despesas do órgão: execução orçamentária e financeira 2021 

16 Fonte: Portal G1. Orçamento 2021: veja quais áreas devem perder recursos, e quais terão mais verba no próximo ano 

17 Fonte: #UnidosPeloBrasil. Diga NÃO aos supersalários pagos com verba pública! #SuperSaláriosNão

18 Fonte: Senado. Comissão Especial do Extrateto

19 Fonte: Senado. Senado aprova fim dos supersalários na administração pública. 20 Fonte: Folha. Relator de projeto dos supersalários restringe gratificações acima do teto constitucional 

21 Fonte: SBT. Grupo entrega abaixo-assinado contra supersalários na Câmara 22 Fonte: R7. Câmara debate nesta quarta supersalários no serviço público 23 Fonte: R7. Câmara vota urgência de projeto que acaba com os supersalários24 Fonte: Agência Câmara de Notícias. Confira a lista de prioridades do governo na Câmara e no Senado 

25 Fonte: Agência Câmara de Notícias. Relator de projeto que combate supersalários comemora inclusão do tema entre prioridades do governo 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s